12 fevereiro 2018

Resenha - A pedra pagã, Nora Roberts


Livro: A pedra pagã (A sina dos sete #3)
Autor(a): Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Adquira: Submarino | Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora
Partilhando visões de morte e fogo, os irmãos de sangue Cal, Fox e Gage, e as mulheres ligadas a eles pelo destino, Quinn, Layla e Cybil, não podem ignorar o fato de que o demônio está mais forte do que nunca e que a batalha final pela cidade de Hawkins Hollow está a poucos meses de acontecer. A boa notícia é que eles conseguiram a arma necessária para deter o inimigo ao unir os três pedaços de jaspe-sanguíneo. A má notícia é que ainda não sabem como usá-la e o tempo está se esgotando. Compartilhando o dom de ver o futuro, Cybil e Gage podem descobrir a resposta para esse enigma se trabalharem juntos. Só que, além de não terem nada em comum, os dois se recusam a ceder aos próprios sentimentos. Um jogador profissional como Gage sabe que se entregar a uma mulher como Cybil – com a inteligência, a força e a beleza devastadora dela – pode ser uma aposta muito alta. E qualquer erro de estratégia pode significar a diferença entre o apocalipse e o fim do pesadelo para Hawkins Hollow. Em A Pedra Pagã, Nora Roberts encerra a emocionante trilogia A Sina do Sete, uma história sobre família, amor e amizade que consegue arrancar arrepios e suspiros de seus leitores.

ESSA RESENHA NÃO POSSUI SPOILER DO LIVRO ANTERIOR.
LEIA A RESENHA DE IRMÃOS DE SANGUE E A MALDIÇÃO DE HOLLOW.


Uma cidade pequena, quase interiorana e um grupo de amigos leais - que pode ou não incluir laços consanguíneos, de onde se originam alguns casais. Essa é a forma básica adotada pela Nora Roberts na maioria de suas trilogias e assim como a dos Primos O'Dwyer, os protagonistas de A sina dos Sete precisaram enfrentar o mal secular.

Gage, Fox e Cal libertaram um terrível mal ao fazerem um pacto de sangue na madrugada em que completariam dez anos. Desde então, a cada sete anos, durante sete dias, uma loucura demoníaca e assassina se instala na cidade Hawkins Hollow. Gage Thuner cresceu sentindo o fedor do álcool que exalava do homem que deveria chamar de pai, o mesmo que o espancava constante mente. Na primeira oportunidade que teve ele fugiu, ganhou o mundo, mas a cada sete aniversários ele voltava para seus irmãos de sangue e lutava ao lado deles contra aquele pesadelo.

Cybil teve uma vida abastada, mas as curvas sinuosas da vida a tornaram forte. Ela estudou muitas vertentes da magia para tentar entender e controlar o que emanava dela. A faculdade lhe deu Quinn de presente, uma amiga mais irmã do que aquela com quem compartilhava os pais. E por causa dela foi parar em Hawkins, onde descobriram que, em algum ponto de sua árvore genealógica sombria, as duas compartilhavam o mesmo sangue.

Gage e Cyb compartilham o dom da visão do futuro, e quando se vive em uma cidade que está cada vez mais próxima de fazer jus à expressão 'inferno na terra', aquilo que se vê dificilmente será agradável. A missão de distinguir pesadelos de premonições se torna cada dia mais difícil, mas deixa sempre claro que o tempo está se esgotando e eles precisam se concentrar para não deixar nenhum detalhe crucial escapar.

Depois de um período de quase monotonia, onde nosso sexteto pouco avançou em suas investigações, o momento de decidir o futuro de Hawkins Hollow está se aproximando. O bônus é, finalmente, poder desvendar o personagem mais instigante da história. Me interessei por Gage e seu passado fragilizado assim que ele foi apresentado. Imaginei que seu livro seria o último e de fato não havia personagem melhor para tomar a frente nesse momento. Cybil também não fica atrás.

Faiscas acontecem desde a primeira vez que se encontraram, e por algum tempo de forma não amigável. Eles são livres, pessoas do mundo. Práticos e céticos, se recusam a aceitar que não possuem escolha diante do que o destino definiu para eles. A atração física é mútua, mas dividir a cama uma ou duas ou milhares de vezes não significava que precisavam se comprometer com o outro até a eternidade. Certo?

Gostei muito da construção lenta dos sentimentos que eles compartilham. Um amor a primeira vista como o compartilhado por Quinn e Cal, não combinaria com suas personalidades. Eles já começam a história levemente abalados e dai a se entregarem é só questão de tempo. O que me fez gostar ainda mais do casal é o quão direto são. Como são explosivos também, isso resulta em algumas discussões desnecessárias, mas é bom encontrar um casal que se não se desentende porque decidiram que algo não deveria ser dito.

A história é fluida, mas algumas coisas careceram de explicações, enquanto outras aconteceram rápido demais. Eles mobilizam parte da cidade em um movimento de retirada, mas o que foi dito a essas pessoas? Utilizar apenas os estranhos incidentes que vinham acontecendo como justificativa deveria levá-los a fugir da cidade de verdade - como muitos sensatamente fizeram. E a batalha final foi sem graça. Não sei exatamente o que esperava, mas não era uma resolução de poucas páginas. Os ataques furtivos que vinham acontecendo foram bem mais elaborados. Não foi o suficiente para eu desgostar do livro, mas fico com a sensação de que a autora deixou o 'dez' escapar por preguiça.

A pedra pagã é um desfecho satisfatório para uma trilogia mediana. O romance foi ótimo, mas ainda não consegui me envolver com as histórias que a autora desenvolve focada no ocultismo. É uma pena, mas ainda não perdi as esperanças.

- - - - -
Postagem válida para o TOP COMENTARISTA, Participe!
Valendo um exemplar de Contra Todas as Probabilidades do Amor.

4 comentários

  1. Que pena a trilogia não ser tão boa.. nunca li Nora, mas essa acho que também não vou ler..

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda fico fascinada como a autora consegue passear por tantos gêneros e mesmo assim, ser boa em todos!
    Nora é sem sombra de dúvidas um fenômeno e eu morro de vontade conhecer este lado das letras mais pro sobrenatural que ela escreve.
    Só tive contato com as letras da autora, na parte do romance!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi, Dreeh.

    A autora nos apresenta uma trama no qual os personagens que enfrentam uma verdadeira luta contra o tempo, levando em conta que tal monstro com sua destruição, pode afetar à todos, e alguma coisa tem que ser feita para detê-lo, não é mesmo?

    ResponderExcluir
  4. Eu tinha até ficado com medo de receber algum spoiler mas aí eu vi o seu aviso diante dessa post que não tinha nenhum spoiler dos livros anteriores Mas eu ainda não li nenhum livro dessa autora só os romances de época e quero muito me arriscar nessa nova trilogia dela

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥