24 setembro 2021

Resenha - Biblioteca Gaiman, Neil Gaiman


 
Livro: Biblioteca Gaiman (#1)
Autor(a): Neil Gaiman
Editora: Intrínseca
Páginas: 288
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora

Sem medo de desbravar novos mundos e com um talento único para construir tramas e universos extraordinários, Neil Gaiman é um dos escritores mais aclamados da literatura. Com a publicação de Sandman, no final da década de 1980, o autor foi catapultado ao sucesso — a HQ revolucionou o gênero e conquistou milhares de leitores. Desde então, Gaiman navegou por inúmeros estilos e formatos, mas até hoje os quadrinhos ocupam posição de destaque em sua vasta e deslumbrante carreira. Para honrar o gênero que o consagrou, a Intrínseca dá início à publicação de um projeto inédito e exclusivo, uma coleção que reúne histórias do autor adaptadas para os quadrinhos por artistas renomados: a Biblioteca Gaiman. Em edição de luxo com capa dura e fitilho, além de ilustração de capa assinada por Shiko, prefácio de Cris Peter e projeto gráfico de Antonio Rhoden, o primeiro volume da coleção traz cinco histórias que contêm a estranheza subversiva tão característica das obras de Gaiman, que ganham vida com as artes dos brilhantes Shane Oakley, Michael Zulli, P. Craig Russell e John Bolton. Na trama que abre a coletânea, As noivas proibidas dos demônios desfigurados da mansão secreta na noite do desejo sinistro, um escritor com bloqueio criativo muda os rumos de sua inspiração após uma visita inesperada e uma conversa sincera com um corvo. Em Criaturas da noite, Gaiman une o mundano ao sobrenatural, uma de suas marcas registradas, em uma história sobre gatos pretos misteriosos, corujas e demônios. Na obra seguinte, Mistérios divinos, um cigarro compartilhado entre dois homens dá início a uma trama sobre o primeiro assassinato do mundo, unindo céu e terra, amor e morte. Em A verdade sobre o desaparecimento da srta. Finch, uma mulher que não se chama srta. Finch desaparece após participar da atração de um circo estranho, macabro e um tanto quanto feroz. Por fim, subvertendo a clássica história de amor do Arlequim e da Colombina, Arlequim apaixonado tem início quando uma mulher encontra um presente estranho e sanguinolento pregado em sua porta, obra de um admirador invisível e imprevisível. Para o autor de Deuses americanos, Coraline e tantos outros clássicos, escrever envolve quebrar regras, desafiar limites, se render ao inesperado e construir mundos em que o surreal e o cotidiano se unem em narrativas fantásticas, sombrias, poéticas — e assustadoramente reais. Prepare-se para conhecer uma edição especial e inesquecível e mergulhar em histórias que só Neil Gaiman poderia contar.

Não é novidade que Neil Gaiman já seja conhecido por grandes obras como Coraline, O livro do cemitério ou simplesmente por grandes adaptações como American Gods, sendo assim , ver um lançamento do autor é certeza garantida de que precisarei conferir e incluir na minha coleção, ainda mais se tratando de uma edição contendo alguns contos do autor adaptados por quadrinistas. Eu ansiava por ter Biblioteca Gaiman em mãos e quando recebi meu exemplar da Editora Intrínseca, corri para devorá-lo na primeira oportunidade.

14 setembro 2021

3 MESES DE KINDLE UNLIMITED POR R$1,99

A promoção de 3 meses de Kindle Unlimited por R$ 1,99 voltou!

Para assinar, clique aqui



Aproveite 3 meses de Kindle Unlimited pagando apenas R$ 1,99 
● Tenha acesso ilimitado a mais de 1 milhão de eBooks.
● Explore nossa seleção de revistas.
● Leia em qualquer lugar e em qualquer dispositivo com o App Kindle.

13 setembro 2021

Resenha - O enigma do quarto 622, Joël Dicker



Livro:
O enigma do quarto 622
Autor(a): Joël Dicker
Editora: Intrínseca
Páginas: 528
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora

Numa noite de Dezembro, um cadáver jaz no chão do quarto 622 do Palace de Verbier, um luxuoso hotel nos Alpes suíços. A morte misteriosa ocorre em plena festa anual de um prestigiado banco suíço, nas vésperas da nomeação do seu presidente. A investigação policial nada conclui e a passagem do tempo leva a que o caso seja praticamente esquecido. Quinze anos mais tarde, o escritor Joël Dicker hospeda-se nesse mesmo hotel para recuperar de um desgosto amoroso e para fazer o luto do seu estimado editor. Ao dar entrada no hotel para o que esperava ser uns dias de tranquilidade e inspiração, não imaginava que acabaria a investigar esse crime do passado.

 

Uma história ambientada em Genebra, na Suíça. Joel é um escritor que está passando pelo luto após a morte de seu amigo Bernard, seu editor, que acreditou no seu trabalho e o tornou um grande escritor. Joel se envolve com uma moça e, quando o relacionamento acaba, ele resolve tirar umas férias para espairecer a cabeça por um tempo.

O lugar escolhido por ele é o luxuoso hotel nos alpes suíços e, ao se hospedar no Palace de Verbier, Joel fica no quarto 621 Bis. Logo ao entrar no quarto ele estranha a numeração do apto que não segue a sequência correta e isso o deixa intrigado. A numeração também intriga uma outra hóspede, Scarlet, que Joel conhece no restaurante do hotel. Juntos descobrem que houve um assassinato no quarto 622, agora renomeado 621 Bis, há 15 anos atrás.

11 setembro 2021

Resenha - Procure nas Cinzas, Charlie Donlea



Livro: Procure nas Cinzas
Autor(a): Charlie Donlea
Editora: Faro
Páginas: 356
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora

O ataque terrorista às Torres Gêmeas do World Trade Center chocou o mundo vinte anos atrás, mas, para uma família, esse atentado teve um gosto mais amargo. A destruição dos edifícios deu fim à vida de Victória, a principal suspeita de um crime brutal ― sem que ela tivesse a chance de se defender. E sua irmã, Emma, ainda tinha um assunto pendente: naquele momento extremo, pouco antes de o prédio desabar, Victoria conseguiu realizar uma última ligação pedindo que Emma a ajudasse a provar sua inocência. O caso fica abandonado por duas décadas, até que a evolução das técnicas forenses possibilitou a identificação do DNA de uma das vítimas dos ataques ― justamente da mulher que foi considerada culpada pelo assassinato de um conhecido escritor. Avery Manson, uma famosa apresentadora de TV, vê no caso uma oportunidade de alavancar ainda mais a sua carreira. Seu faro jornalístico a leva até Emma, e ela decide fazer o que for preciso para reabrir o caso, expor as falhas da polícia e descobrir se Victoria era ou não inocente. Avery não imaginava que seria preciso remontar um complexo quebra-cabeça para se chegar à verdade. E ela própria guarda também muitos segredos que, na busca insaciável por conseguir uma ótima história, podem ser expostos e destruir todo o sucesso que conquistou. Para quem ama os clássicos de Agatha Christie ou adora suspenses e personagens misteriosos e envolventes. Procure nas cinzas, lançamento da Faro Editorial, cria um emaranhado de tramas e personagens interessantes, capazes de tudo, e que irão fisgar os leitores até as últimas páginas.


Vinte anos atrás, Victoria Ford era apontada como suspeita da morte brutal do próprio amante. A cena do crime continha inúmeras evidências de seu DNA, mas apesar de tudo incriminá-la, Victoria jurava ser inocente e desesperadamente buscava uma forma de provar a impossibilidade de sua participação no crime. Contudo, o caso chega ao fim quando Victoria fica presa nas Torres Gêmeas no fatídico dia do atentado de 11 de setembro.

Desde que Avery Mason assumiu a posição de apresentadora do American Events, um programa de TV de grande audiência, tudo mudou! Avery logo percebeu seu potencial para alavancar os números do programa e manter o público grudado na tela, ela era um fenômeno, mas seu contrato estava chegando ao fim e muito mais do que renová-lo, Avery queria ser tão ou mais valorizada que o antigo apresentador, não apenas por saber que mulheres são desvalorizadas em seu ofício, mas pela certeza de que sim, ela era a melhor.

Em busca de um roteiro surpreendente e capaz de mantê-la como host do show, Avery esbarra com o caso de Victoria vinte anos após seu arquivamento, quando uma nova tecnologia permite que seja constatada a compatibilidade de DNA através de fragmentos encontrados nos destroços do World Trade Center. A princípio Avery queria apenas falar sobre essa nova tecnologia, mas investigar o crime não solucionado seria sua chance de fazer história no programa.

O problema é que Avery ainda precisa lidar com um fantasma do passado que manchou a reputação de sua família quando um esquema fraudulento conduzido por seu pai veio à tona. Por mais que ela não estivesse ligada as fraudes, associar o caso a sua imagem prejudicaria sua carreira. No entanto, Avery nem imagina que o FBI já está em sua cola, e ela precisará de um bom plano para manter seu emprego enquanto resolve seu passado.

Procure nas cinzas é um livro carregado de investigação e mistério. A história alterna entre passado e presente, entregando ao leitor uma trama de ritmo eletrizante, com personagens bem delineados e com direito a crossover. Para além do suspense, o autor também traz um tema importante através de Avery. Ela precisa enfrentar o machismo do mundo televiso e provar seu valor constantemente, mesmo quando os números de audiência apontam resultados superiores.

A cereja do bolo fica por conta do final inesperado que conseguiu me chocar. Sim, Donlea surpreende na última página e apesar de ser tapeada e já imaginar que aconteceria, nunca imaginei que seria dessa forma. Leiam!


31 agosto 2021

Resenha - Jogador número dois - Ernest Cline


 
Livro: Jogador número dois
Autor(a): Ernest Cline
Editora: Intrínseca
Páginas: 416
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora

Na aguardada sequência do best-seller Jogador Número Um, uma tecnologia revolucionária e inimigos poderosos põem em risco o destino da humanidade. Dias após o fim do concurso lançado pelo fundador do OASIS, Wade Watts faz uma descoberta bombástica. Escondida no cofre de James Halliday, há uma tecnologia capaz de alterar a natureza da existência humana para sempre — e talvez piorar ainda mais as coisas. Chamado de Interface Neural OASIS, ou INO, o dispositivo permite que o usuário use os cinco sentidos no ambiente virtual e controle seu avatar apenas com o pensamento. Também é possível gravar suas experiências no mundo real e que outras pessoas consigam revivê-las. Ainda que revolucionário, o INO torna o OASIS mais viciante e perigoso do que nunca. Começa assim uma nova missão, uma caça ao último Easter egg deixado por Halliday, com um misterioso prêmio em vista. Ao longo dessa jornada, Wade e seus amigos enfrentarão um inimigo inesperado e extremamente poderoso — disposto a matar milhões para conseguir o que quer —, revelações do passado conturbado de Halliday e até mesmo múltiplas versões do cantor Prince. A vida de Wade e o futuro do OASIS estão em risco outra vez, mas a humanidade pode ser a maior vítima dessa guerra cada vez mais real. Com uma narrativa criativa e eletrizante, repleta de referências à cultura pop dos anos 1980 e ao universo nerd que consagraram o primeiro volume da série, Jogador Número Dois dá continuidade ao legado de sucesso de seu antecessor e lança os leitores em uma nova aventura futurista e surpreendente. O livro também ganhará uma adaptação cinematográfica, com roteiro do autor. 



Wade Watts ganhou uma fortuna após vencer a disputa de Halliday. No entanto, algumas surpresas relativas a essa vitória ainda o surpreenderam nosso personagem. O que acontece é que antes de sua morte, James Halliday desenvolveu uma tecnologia conhecida como INO, um dispositivo capaz de escanear o cérebro dos jogadores, tornando as experiências e sensações do OASIS muito mais reais.E é então que com a ajuda dos amigos ele decide lançar essa nova tecnologia para o mundo.

E as surpresas não param por aí, após o grande sucesso do INO entre a população, Wade descobre que Halliday havia deixado um novo desafio escondido, e só seu avatar, Parzival, é capaz de resolvê-lo. Porém, anos se passam sem que Wade consiga qualquer informação que o leve até a primeira pista. Desesperado por uma chance de desvendar o enigma deixado por Halliday, ele decide oferecer um prêmio bilionário para aquele que conseguir alguma informação que possa ajuda-lo nessa missão. Será que Wade terá sucesso com a ajuda de um avatar iniciante?

26 agosto 2021

Resenha - O Mar sem Estrelas, Erin Morgenstern


 
Livro: O Mar sem Estrelas
Autor(a): Erin Morgenstern
Editora: Morro Branco
Páginas: 544
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora

Quando Zachary Ezra Rawlins descobre um misterioso livro escondido na biblioteca de sua universidade, isso o leva a uma busca como nenhuma outra. Em meio a suas inebriantes narrativas sobre prisioneiros apaixonados e cidades perdidas, ele se depara com algo impossível: uma história de sua própria infância. Determinado a obter respostas que este livro sem título ou autor se recusa a prover, Zachary deve seguir as únicas pistas que encontra na capa – uma abelha, uma chave e uma espada. Em seu caminho, surgem duas pessoas que mudarão o curso de sua vida: Mirabel, uma impetuosa pintora de cabelos cor-de-rosa, e Dorian, um belo e enigmático homem descalço. Navegando por bailes de máscaras e sociedades secretas, este é só o início de uma missão que o levará a um estranho labirinto subterrâneo, às margens do Mar Sem Estrelas. Um mundo maravilhoso de túneis sinuosos, cidades perdidas, amantes eternos e histórias a serem preservadas, custe o que custar…

"Se todos os finais são começos, será que todos os começos também são finais?"


Há um mês eu tento assimilar o que foi minha experiência de leitura com O Mar sem Estrelas para convencê-los a ler essa obra, no entanto, há um mês eu tenho certeza que jamais serei capaz de colocar em palavras o quão prazerosa e encantadora foi conhecer essa história, mas prometo que tentarei nessa resenha.

A trama criada por Erin Morgenstern é sem dúvida uma das mais originais e complexas que já tive a oportunidade de ler. Para quem é fã de fantasia devo dizer que o livro é uma verdadeira viagem a um novo mundo repleto de camadas, com histórias dentro de histórias, fábulas, baladas, amores atemporais e navios que navegam sobre um mar sem estrelas.

Zachary é nosso protagonista, um jovem estudioso que encontrará na biblioteca da universidade onde estuda um livro misterioso contendo em suas páginas um momento específico de sua história. O que acontece é que esse momento jamais foi divido com outro pessoa, sendo assim, como ele poderia estar descrito em um livro que parece ser mais antigo do que o próprio Zachary? É justamente essa pergunta e todas as possíveis respostas que farão essa história se desenvolver, e você querido leitor fiará ávido por respostas. Mas não esperem encontrar aqui respostas para todas as perguntas que surgirão durante a leitura. Morgenstern conseguiu criar seu próprio "país das maravilhas". Nem tudo o que acontece nessa história possuirá sentido ou conexão óbvia, então preparem-se para um enredo denso, poético e desafiador.

Nesse mundo secreto de histórias infinitas e caminhos que se encontram e desencontram, Morgenstern fala sobre amor, sobre destinos e sobre histórias. O Mar sem Estrelas é uma obra que pode não agradar todo e qualquer leitor devido a sua complexidade e finais abertos, mas garanto que esse é um livro para quem gosta de histórias, além de uma experiência única, arrebatadora e emocionante.

Terminei o livro sem a certeza se entendi todas as conexões dessa trama, mas determinada a reler a obra assim que possível e conhecer mais da escrita dessa autora que ganhou espaço na minha lista de queridinhas.


"Um garoto no começo de uma história não tem como saber que a história começou."

22 agosto 2021

Resenha - O clube do crime das quintas-feiras, Richard Osman



Livro: O clube do crime das quintas-feiras
Autor(a): Richard Osman
Editora: Intrínseca
Páginas: 400
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora

Fenômeno editorial que o mundo não via desde o lançamento de Harry Potter, O Clube do Crime das Quintas-Feiras é um exemplo concreto de como uma história de mistério e assassinato pode ser extremamente engraçada. Toda quinta, em um retiro para aposentados no sudeste da Inglaterra, quatro idosos se reúnem para ― segundo consta na agenda da sala de reunião ― discutir ópera japonesa. Mas não é bem isso que acontece ali dentro. Elizabeth, Ibrahim, Joyce e Ron usam o horário para debater casos policiais antigos sem solução, confiantes de que podem trazer justiça às vítimas e encontrar os responsáveis por algumas daquelas atrocidades do passado. Com todos os integrantes acima dos setenta anos, o Clube do Crime das Quintas-Feiras não é a equipe de detetives mais convencional em que se conseguiria pensar, mas com certeza está mais do que acostumada a fortes emoções. Afinal, Joyce foi enfermeira por décadas, Ibrahim ajudou pacientes psiquiátricos em situações dificílimas, Ron era um reconhecido líder sindical e Elizabeth... bom, digamos que assassinatos e redes de contatos sigilosas não eram nenhuma novidade para ela. Quando um empreiteiro local com projetos bastante questionáveis na cidade aparece morto, o grupo tem a oportunidade de seguir as pistas de um caso atual. Apostando em seus semblantes inocentes e habilidades investigativas estranhamente eficazes ― além de trocas de favores clandestinas com a polícia, que, apesar de todos os esforços, parece estar sempre um passo atrás de seus colegas amadores ―, os quatro amigos embarcam em uma aventura na qual as mortes do presente se entrelaçam com antigos segredos, e em que saber demais pode trazer consequências perigosas.



Curtir a vida em um pacato vilarejo para aposentados? Qual nada! O interessante para esse grupo de quatro amigos era se reunir semanalmente na sala Quebra—cabeças para desvendar assassinatos cometidos há tempos atrás, mas que não receberam a justiça devida.

Investigar sobre esses crimes antigos deixou de ser o objetivo principal do grupo após ter ocorrido o assassinato de um dos colaboradores do empreendimento. Ao lado do corpo foi deixada uma fotografia de anos atrás que retratava pessoas em atos questionáveis.

Dali em diante o tecer da trama nos levava a suspeitar de toda e qualquer pessoa! O clichê “todo mundo é inocente até que se prove o contrário”, se reverteu em “todos são suspeitos até que se encontre o responsável!”

Digno de muitas risadas, alguns tombos com relação ao verdadeiro culpado e uma certa indignação no final da história, O Clube do Crime das Quintas-feiras foi uma leitura rápida e envolvente. Os capítulos curtos ajudaram bastante!

Tenho uma ressalva na leitura, mas passo o pano porque haverá um novo livro, o qual já está em pré-venda, e algo que ficou no ar e até mesmo “impune” será retratado nessa continuação. I hope so!!!!





Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥