03 abril 2017

Resenha - O Ceifador, Neal Shusterman

Livro: O Ceifador (Scythe #1)
Autor(a): Neal Shusterman
Editora: Seguinte
Páginas: 448
Adquira: Saraiva | Livraria da Travessa
Livro cedido através da parceria com a editora
A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.


ESSA RESENHA NÃO POSSUI SPOILER DO LIVRO.


Esqueça tudo o que você sabe sobre a humanidade nos dias atuais e abra a sua mente para embarcar nesse novo mundo governado por uma inteligência artificial denominada Nimbo-Cúmulo.

Nesse mundo encontramos uma humanidade que derrotou a morte, não existem mais doenças, vítimas de fatalidades e nem mesmo grandes desigualdades sociais, todos possuem renda garantida, comida em abundância e conforto. Nem mesmo a velhice é obrigatória, sendo possível rejuvenescer a aparência quando julgar necessário.

Acredito que as pessoas ainda temem a morte, mas apenas um centésimo do que temiam antigamente. Digo isso porque, com base nas cotas, a chance de uma pessoa ser coletada dentro dos próximos cem anos, é de apenas um por cento.

Contudo o crescimento populacional é uma grande preocupação e nem mesmo a tecnologia consegue comportar tanta gente na Terra. Por esse motivo foram criados os ceifadores, uma organização treinada e com permissão para matar uma cota diária de pessoas com o intuito de diminuir a superpopulação. Não é um trabalho fácil para aqueles que são ordenados a esse serviço, porém o fardo de ceifador também trás poder aos portadores da morte, que são tratados com regalias pela população que em troca de imunidade oferecem riquezas e tudo o que se possa imaginar.

Ser um ceifador é abdicar de sua antiga vida em tempo integral e se dedicar inteiramente aos propósitos da Ceifa. Um ceifador precisa cumprir suas cotas de coleta sem agir com discriminação, desapegar de bens materiais e respeitar os dez mandamentos do ceifador. Porém embora existam leis, a corrupção e a imoralidade ainda permanecem, mesmo entre os ceifadores. E os mandamentos criados para manter a ordem são distorcidos de acordo com a ideologia de cada ceifador.

[...] ser um ceifador significa ser um ceifador em todas as horas de todos os dias. Isso define a pessoa até o âmago de seu ser, e apenas nos sonhos se é livre do jugo. Mas, mesmo nos sonhos, me pego coletando...

Citra e Rowan foram escolhidos como aprendizes pelo renomado ceifador Faraday. Nenhum dos dois deseja carregar esse fardo, mas tornar-se ceifador garante prestígio e imunidade para toda a família. Todavia em regra após um ano de treinamento apenas um poderá adquirir o manto e o anel que o ordenará ceifador, enquanto o outro retornará para casa retomando a vida de onde parou. Mas será possível retomar a antiga vida após conhecer os verdadeiros propósitos da ceifa e participar de um treinamento que os ensinará a tirar tantas vidas? Só lendo para saber...

Quando a Editora Seguinte ofereceu a prova antecipada de O Ceifador para leitura eu já imaginava que iria adorar essa história, mas de longe pensei que iria me conectar tanto.

O livro é narrado em terceira pessoa e nos garante acompanhar com detalhes cada acontecimento dessa trama alucinante. Nessa obra encontramos um mundo em que embora a humanidade não tema mais a morte por doenças e acidentes, eles temem serem coletados pelos ceifadores. No entanto é possível identificar também que essa certeza de não padecer também tirou a essência de vida das pessoas, eles estagnaram, não possuem mais sonhos, necessidades e nem aquele desejo de aproveitar a vida como se fosse o último dia. Aqui encontramos jovens que se jogam de prédios para sair do tédio, sabendo que serão revividos em dois ou três dias em um centro de revivificação, conseguem imaginar algo assim? A grande realidade é que muitas já não vivem, apenas existem.

A imortalidade nos transformou em personagens de desenho animado.

O fator interessante aqui é que durante o enredo esbarramos nos mesmos problemas que encontramos em nossa sociedade atual, os detentores de poder são tratados como verdadeiras celebridades, a humanidade embora possua tudo o que necessita permanece insatisfeita, e a distorção da lei, a crueldade e a falta de moral corrompem o sistema que até então parecia perfeito.

A inteligência artificial por sua vez é uma verdadeira mãe para a humanidade e acompanha cada ser existente no planeta Terra. No entanto ela não se envolve nas questões da ceifa, permitindo que a desonestidade se infiltre cada vez mais naquele meio.

As atividades da Nimbo-Cúmulo não são da minha conta. O objetivo dela é sustentar a humanidade. O meu é moldar a humanidade. A Nimbo-Cúmulo é a raiz, e eu sou a tesoura de poda, moldando os galhos, mantendo a árvore viva.

Um dos pontos altos do livro é podermos acompanhar as anotações em diário de ceifadores renomados, algo que além de deixar claro a visão e ética de cada ceifador, também nos faz refletir acerca do rumo da humanidade e da interpretação que a ceifa tem para cada um.

Quanto mais vivemos, mais rápido os dias parecem passar. Como é perturbador viver para sempre. Um ano parece durar apenas semanas. Décadas voam sem nenhum acontecimento que as marque. Ficamos acomodados na monotonia sem sentido da vida, até que, de repente, nos encaramos no espelho e vemos um rosto que mal reconhecemos implorando que nos restauremos e sejamos jovens novamente.

Enquanto a história se desenvolve com originalidade e fluidez, Neal Shusterman ainda prepara diversas reviravoltas para deixar o leitor de queixo caído, é impossível largar o livro sem ficar imaginando o que nos aguarda nas próximas páginas, haja coração para suportar tudo o que está por vir.

O legal aqui é que não são apenas Citra e Rowan que roubam a cena, esse papel também fica a carga do ceifador Faraday, da ceifadora Curie (conhecida como a Dama da Morte) e do odioso ceifador Goddard e seu grupo de seguidores.

Amantes de distopia e ficção científica preparem-se para uma jornada de tirar o fôlego e abram a mente para esse universo onde matar não é crime, é uma necessidade amparada pela lei.

O Ceifador é aquele tipo de livro que nos tira da zona de conforto, nos faz refletir, angustiar-se e claro, ainda consegue nos arrancar lágrimas.

Eu não estava preparada para tudo o que encontraria aqui e amei essa história com toda a essência do meu ser, então se façam um favor e leiam!

Curiosidades:
Direitos de adaptação comprados pela Universal Studios.
Onze semanas na lista de mais vendidos do New York Times.
Ganhou menção honrosa do Printz Award, a mais importante premiação da literatura juvenil dos EUA.
Escolhido como um dos 10 melhores livros juvenis de 2016 pela American Library Association.

22 comentários

  1. Nossa!Já li outros livros da Seguinte e sei que a editora tem publicações incríveis e esse é um livro que certamente quero ler! A sua resenha foi muito bem escrita e detalhou bastante e fez eu ficar com vontade de ler agora! Quanto tempo será que levará para torna-se uma adaptação cinematográfica ?

    memoriasdeumaleitora.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá, com um enredo criativo a obra contrasta com a realidade, acarretando em reflexões sobre o crescimento populacional e sua consequência (ou a falta dela). Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Não sabia da existência desse livro! Achei a história fascinante, vou colocar na lista. Muito boa sua resenha!

    Beijos!
    http://www.tresdeabril.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Glaucia!
    Já tinha lido sobre o livro e muito interessada fiquei para fazer a leitura, primeiro porque é uma ficção fantasia bem diferente das que estamos acostumadas a ler por aí e também, porque questiona a sociedade. Se tivéssemos tudo às mãos, como moradia, saúde, vida 'eterna', realmente a sociedade se estagnaria e não iríamos mais em busca de nossos objetivos, seria perfeito por uma parte e por outra, totalmente inadequada.
    O que me deixou mais intrigada foi por saber como é feita a triagem dos ceifadores, já mantém tanto poder...
    Desejo um mês repleto de realizações e uma semana de luz e paz!
    “ Eu creio que um dos princípios essenciais da sabedoria é o de se abster das ameaças verbais ou insultos.” (Maquiavel)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  5. Caramba, mas esse livro parece que deixa uma mensagem tão legal. Gostei dessa ideia dele e o fato de as pessoas só acabarem existindo, não dando tanto valor para a vida delas, é uma coisa que faz a gente pensar. Quem nunca imaginou como seria não morrer? Mas é interessante que deixe essa ideia do quanto seria estranho e do que estaríamos perdendo. Adorei essa ideia dos Ceifadores também e de como mostra um lado quebrado da nossa sociedade mesmo com toda essa evolução da vida humana. Parece ter várias questões e temas interessantes ali.
    E se for cheio de reviravoltas só imagino como pode ser bom. Está parecendo uma leitura maravilhosa!

    ResponderExcluir
  6. Puxa, fiquei aqui lendo a resenha e me questionando sobre tanta coisa. Será que ser um ceifador é ruim? Será que viver a angústia de poder ser escolhida pela morte é bom?
    Um enredo super diferente do que a gente está acostumado. Com pessoas comuns, mas ao mesmo tempo, bem reais. Aja corrupção e a lei do mais forte.
    O amor a família vale uma vida?
    Puxa, quero muito poder conhecer a história!
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Uau amei sua resenha e fiquei mega curiosa com o livros, acho que os temas superpopulação e o sentido da vida rendem discussões interessantíssimas, e é claro que uma 'ordem' que tem o monopólio sobre a morte rende muita corrupção. Dica mais que anotada.

    ResponderExcluir
  8. Eu juro que lendo a sua resenha pensei que já havia lido esse livro, mas chegando no final, nas curiosidades fiquei em dúvida. Esse livro é uma reedição? Fiquei bem confusa mesmo...

    Bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luisa, tudo bem? Não é reedição, esse livro será lançado no dia 17/04 pela Editora Seguinte.

      Excluir
  9. Olá
    Eu atualmente estou lendo outro livro do autor (Desintegrado) e estou amando tanto quanto o primeiro livro. Fiquei bem surpreso em saber da chegada desse livro aqui no Brasil e como já tenho um certo amor pela escrita desse cara eu sem dúvidas irei amar a obra, sem falar que essa CAPa é muito linda e o trabalho da Seguinte é de mais
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Despertou meu interesse, achei diferente, seria tão bom se não existisse os problemas citados no começo da resenha na vida real, mas aconteceria o mesmo que o livro excesso de pessoas, e como resolver esse problema. Fiquei me perguntado se o ceifador tem algum critério para escolher as vítimas. É impressionante como a corrupção fala mais alto.

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Pelo visto você gostou mesmo da obra hein. Eu já tinha visto essa capa na internet, porém não tinha lido nada sobre, e confesso que a premissa não me atraiu muito. Não é um estilo de livro que costumo ler, sabe. No entanto, eu poderia vir a lê-lo, pois gosto de livros que me tiram da zona de conforto e por ter esse lado de distópia, e eu gostar de distópia, poderia ser uma leitura bem proveitosa.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Glaucia!
    Estou muito curiosa com esse livro. Só ouço coisas boas e com sua resenha não foi diferente. Como amo distopia e ficção científica com certeza quero ler o livro. ^^ Ah! Não sabia que ia ter filme!!!! :O
    Beijão!
    http://www.lagarota.com.br/
    http://www.asmeninasqueleemlivros.com/

    ResponderExcluir
  13. Oie! Não é o meu estilo prioritário de leitura, mas parece ser bem interessante e parte de uma premissa bem curiosa. Vou pesquisar mais sobre ele! Abraços!

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem? Primeiro Sci-Fi que quero ler na vida HAHAHA esse livro está entre meus desejados desde que a Seguinte falou que ia lançar ele lá por Janeiro. Tenho bastantes expectativas, já que ele é bem elogiado lá fora, e com sua resenha me animei mais ainda. Já estou correndo para comprar. Adorei!
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Ual vai virar filme? Eu vi muito esse livro pelo Instagram mas esta é a primeira resenha. Gostei da sua sinceridade sobre ele. Mas não sei se daria uma chance por agora. Muito cheia de leituras sabe como é. Kkk.
    Mas irei falar para algumas amigas lerem sei que elas vão adorar tirar conclusões. Rsrs

    Beijos.

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Não faz meu gosto de leitura, mas vejo que esse autor está em alta no Brasil. Que bom que você curtiu a leitura e espero que mais livros dele cheguem ao nosso país!

    ResponderExcluir
  17. Oiii!

    Eu preciso muito sair da zona de conforto. Não conhecia a obra e fiquei interessada depois da sua resenha (primeira que vi sobre a obra). Achei interessante essas anotações que podemos acompanhar, acredito que der uma ação a mais na história.
    Ótima resenha!

    Beijinhos,

    Ps: Que capa!

    ResponderExcluir
  18. Muito louco não correr mais o risco de morrer por doença ou acidente mas ter essa ameaça dos ceifadores pairando... que bom que se conectou com a história mais ainda que imaginou que aconteceria e acabou amando, me parece um enredo interessante demais e espero ter a oportunidade de ler em breve.

    ResponderExcluir
  19. Puxa vida eu sou uma toupeira!!!!! tenho que ser, não é possível....quando a Editora mandou o email para a prova, eu cheguei atrasada, depois no email da escolha, escolhi outro livro e deixei esse para o meu filho resenhar...ah mas ele que se prepare pq depois que ele ler e resenhar será a minha vez! Amei a sua resenha, mostrou pontos que eu jamais imaginei que teriam no livro, imaginei outra coisa completamente diferente!!!

    Obrigada mesmo pela dica!!!!

    ResponderExcluir
  20. Glaucia lindona amei essa premissa, tenho lido muitos elogios escrita, muito interessante o ponto de trazer problemas que existem nos dias atuais, estou muito curiosa com o livro, irei ler. ótima resenha. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥