08 dezembro 2017

Resenha - Fuck Love, Tarryn Fisher


Livro: Fuck Love
Autor(a): Tarryn Fisher
Editora: Faro Editorial
Páginas: 288
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora
Helena Conway se apaixonou. Contra sua vontade. Perdidamente. Mas não sem motivo. Kit Isley é o oposto dela desencanado, espontâneo, alguém diferente de todos os homens que conheceu. Ele parece o seu complemento. Poderia ser tão perfeito... se Kit não fosse o namorado da sua melhor amiga. Helena deve desafiar seu coração, fazer a coisa certa e pensar nos outros. Mas ela não o faz... Tentar se afastar da pessoa amada é como tentar se afogar. Você decide fugir da vida, pulando na água, mas vai contra a natureza não buscar o ar. Seu corpo clama por oxigênio sua mente insiste que você precisa de ar. Então você acaba subindo à superfície, arfando, incapaz de negar a si mesma essa necessidade básica de ar. De amor. De desejo ardente. Você pode pensar que já viu histórias parecidas, mas nunca tão genuínas como essa. Tarryn, a escritora apaixonada por personagens reais, heroínas imperfeitas, mais uma vez entrega algo forte, pulsante, que nos faz sofrer mas também nos vicia. Depois dela, todas as outras histórias começam a parecer como contos de fadas. Se você não quer se viciar, não leia a primeira página.


Della e Helena duas pessoas que não poderiam ser mais diferentes, mas que não tiveram problemas em manter uma amizade durante longos anos. Elas se tornaram melhores amigas bem novas e mesmo com as mudanças do amadurecimento, não se afastaram. Della se tornou uma mulher deslumbrante e convenhamos, carente que não hesita em usar seu charme para atingir seus objetivos. Helena é mais reservada, prefere focar nos estudos e raramente abre a guarda para que alguém se aproxime.

Neil teve bastante dificuldade para transpassar essas barreiras e agora que já estão juntos a um tempo, Helena consegue vislumbrar um futuro sólido para ao seu lado. Eles são parecidos, a relação é confortável... porque não? Kit e Della são o oposto, ele é uma mistura das duas garotas: bonito, descolado, porém extremamente reservado. É verdade que Della nunca conseguiu ficar mais que três meses com um mesmo cara, mas dessa vez parece que vai. Quem sabe.

Entre cinemas, encontros em casa e saídas para jantar, os quatro passam bastante tempo juntos. Uma boa dinâmica que é abalada quando Helena tem um sonho BEM LOUCO. Nele, ela encarna uma nova versão de si mesma, totalmente diferente da realidade. Mas não era ela o único ponto duvidoso nesse sonho, todo ele tinha um 'Q' de improbabilidade muito grande. Helena acorda desnorteada mas aquele sonho pareceu tão vivido que ela não resiste ao impulso de reparar mais em Kit. E de tanto observá-lo, bem, ela acaba se apaixonando.

Na vida existem limites claros e sólidos, que jamais deveriam ser transpostos. Fantasiar um relacionamento com o namorado da melhor amiga e um desses limites.

Se algum livro já descreveu uma maneira mais louca de se apaixonar, eu preciso conhecer. Um s.o.n.h.o! Ok, não serei extremista. O sonho é o ponta pé inicial para que Helena repare melhor em quem ele é, e assim, descobrindo mais sobre ele, ela acaba desenvolvendo esse sentimento. Mas quando eu digo que o sonho é louco, é porque ele é muito louco. A forma como acontece nos deixa a impressão de que seria uma realidade paralela e são apresentados tantos fatos, que eu não sei como a protagonista não surtou.

Está apaixonado pelo namorado da sua melhor amiga não é uma situação fácil de resolver. Ao pensar que ela própria também está em um namoro sério com uma pessoa legal por quem ela sempre foi apaixonada ou não, a situação se complica ainda mais. Porém ela tenta conduzir tudo da maneira mais correta possível. E essa paixão inesperada nem é a única consequência de seu sonho. Helena, que sempre teve certeza do rumo que tomaria em sua vida, acaba questionando tudo ao seu redor e procura abrir a mente para as alternativas que lhe foram apresentadas.

Mesmo tentando não demonstrar o que sente, mesmo tentando matar aquele sentimento dentro dela, Helena acaba se aproximando mais de Kit e surge uma amizade bacana porém tensa entre eles. Ela fica meio obcecada por ele, com certeza, mas nunca tenta ultrapassar os limites da amizade e eu não consigo descrever o quanto essa atitude me deixou feliz. Claro que em algum momento ela precisaria decidir se buscaria a própria felicidade ou se continuaria pensando em todos a sua volta, mas o fato dela não trair sua amizade por conta de um homem, me deixou bem feliz mesmo.

Pensamos que podemos controlar as nossas vidas, mas em vez disso somos controlados por elas. E tudo o que afeta as nossas vidas nos controla. As pessoas têm menos poder do que pensam. Nós só podemos controlar nossas reações.

Quando iniciei a leitura esperava um romance bobinho que se resumiria ao que contei até aqui, mas a autora não se cansou de me surpreender. A primeira grande virada da história acontece bem antes da metade do livro e com ela vem uma mudança inesperada. O romance fica um pouco de lado e abre espaço para algo introspectivo que é a busca da personagem para se auto descobrir. É um momento mais lento, que é sucedido por outra mudança brusca nos acontecimentos. Se eu tiver que eleger um livro que mais de deixou desorientada sem saber o que esperar das páginas seguintes, seria esse.

Me interessei por esse livro por saber que Tarryn Fisher havia escrito um livro em parceria com a Colleen Hoover. Sou apaixonada pelas histórias dessa mulher e esperava que, qualquer autor que assinasse um livro junto dela escreveria algo tão profundo quanto a própria. As linhas de escrita são bem distintas, mas não nego que me ela deixou tão vidrada quando a Colleen. O melhor foi descobrir que ela possui uma trilogia já publicada pela Faro Editorial. A questão não é se eu irei ler, e sim quando. Uma autora que conduz ama história de forma tão viciante e com tantas reviravoltas, merece ser lida muitas mais vezes.

Olhando a versão física, o livro parece ser muito maior do que é, tudo por conta das folhas que são bem grossas. Ainda não descobri se isso é um padrão da editora, conto na resenha do próximo livro deles. A Faro Editorial também mandou muito bem na diagramação, que mesmo simples e confortável de ler, tem seu diferencial. O início dos capítulos é nomeado com um hashtag sempre engraçada. Só achei que a fonte dela não facilitava a leitura, mas é a única reclamação.

Por que as mulheres parecem inclinadas a acreditar que a culpa é delas quando um escroto desleal e galinha dorme com outras garotas? Isso não é minha  culpa. Ou talvez até seja. E daí? Foda-se.

Fuck Love é um livro que surpreende por inúmeros motivos. Quem está a procura de um bom romance, mas está cansado de histórias água com açúcar, inicie essa leitura sem medo.

- - - - -
Postagem válida para o TOP COMENTARISTA, Participe!
Valendo um exemplar de Um beijo a meia-noite.

9 comentários

  1. Lendo a sua resenha, eu percebi que ele é bem diferente do que eu imaginava, e que não estou acostumada a talvez ler... Parece ser bem louco mesmo! E apesar de, eu gostar desse 'lance' do proibido, acho que esse livro não vai me agradar, não! Haha!

    ResponderExcluir
  2. Antes de qualquer coisa, que capa incrível!!
    Há tempos não via uma capa tão linda e um título também tão fora dos padrões ditos normais.
    Mesmo sendo fã de um bom romance clichê, cheio de romance bobinho e afins, eu também é claro, aprecio uma boa história envolvida.
    O livro está indo para minha lista de desejados e eu espero sinceramente poder conferir!
    Adorei a resenha.
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Já li resenha desse livro é incrível. Tem uma história muito intrigante é bem envolvente. A capa é muito maravilhosa, parece mas para terror do que romance.. Mas eu gostei e estou ansiosa para ler!

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  4. Oi Dreeh.
    Ganhei esse livro num sorteio e estou doida pra ler! Esse sonho que Helena teve parece ser bem louco mesmo. Já fiquei curiosa para saber como as amigas e namorados vão lidar com essa nova tensão no ar.
    Já li alguns livros da Tarryn Fischer e gostei muito da sua escrita. Mas a Colleen ainda é uma das minhas autoras favoritas.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Dreeh, tudo bem?
    Olha, eu achei super crazy esse livro... se apaixonar por alguém por causa de um sonho? uau, essa eu nunca tinha visto... mas o que tem de gente louca nesse mundo que pensa em bastante coisa.
    Além disso, o livro parece ser super interessante e talvez eu acrescente ele na minha lista de leituras...

    Beijão,
    Vinicius
    omeninoeolivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Bem louco a premissa. Não me agradou. Mas a capa é bonita. Haha

    ResponderExcluir
  7. Dreeh!
    Nossa! Não imaginei que o livro traria uma questão pessoal tão emergente e até certo ponto envolvente, porque gosto quando a protagonista aprende com seus problemas e tenha resolvê-los de uma forma que acha correta, mesmo que o problema da perda e do amor, fiquem retornando.
    Um final de semana abençoado!
    “Desejo a você e à sua família um Natal de Luz! Abençoado e repleto de alegrias. Boas Festas!” (Priscilla Rodighiero)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA dezembro 3 livros + 2 Kits papelaria, 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  8. Olá,
    Achei que a sinopse pareceu confusa e pouco convidativa, bom pelo menos foi minha primeira impressão.

    ResponderExcluir
  9. Oiee!
    Menina juro que antes de ler sua resenha não tinha o menor interesse no livro, tanto é que nunca tinha lido nada sobre ele, mas agora... #necessito!
    Apesar de ter esse lace de paixão pelo namorado da melhor amiga não me agradar, mas ao mesmo tempo foi o que mais me deixou curiosa pra saber do desenrolar disso tudo.
    E essas reviravoltas?
    Quero muito conferir essa leitura.
    Bjs!

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥