18 junho 2017

Lançamentos de Junho/2017 - Grupo Companhia das Letras


Sangue por sangue (Lobo por Lobo, vol. 2), de Ryan Graudin

Escolha o lado certo ou pague com sangue. Para o Terceiro Reich, a Segunda Guerra Mundial pode ter acabado, mas para a resistência a luta está apenas começando. Yael é sobrevivente de um campo de extermínio e tem uma habilidade especial: é uma metamorfa, capaz de mudar a aparência física e assumir a forma de qualquer pessoa. Ela também é uma garota em fuga — o mundo acabou de vê-la atirar e matar Adolf Hitler. Yael é a inimiga número 1 da Germânia e de seus aliados, e vai precisar se infiltrar no território inimigo mais uma vez se não quiser pagar com o seu próprio sangue. Em meio a segredos sombrios acompanhados por verdades obscuras, apenas uma pergunta paira na mente de todos do grupo de Yael: o quão longe você iria por aqueles que você ama?


                                                           Aimó, de Reginaldo Prandi

Uma viagem pelo mundo dos orixás. Imagine se encontrar, de uma hora para a outra, em um mundo totalmente desconhecido onde você não conhece ninguém e ninguém demonstra saber quem você é. É o que acontece com uma menina nascida na África e levada para o Brasil para ser escrava, e que de repente acorda em um lugar estranho, habitado pelos deuses orixás e pelos espíritos dos mortos que aguardam o momento de seu renascimento. Ela não sabe mais o próprio nome nem lembra de sua família — está sozinha e não tem a quem pedir socorro. Por isso, aliás, ganha o nome Aimó, “a menina que ninguém sabe quem é”. Tudo o que ela quer é retornar ao seu mundo de origem, mas para tornar isso possível, Aimó vai partir em uma longa jornada através dos tempos mitológicos, guiada por Exu e Ifá, e vai acompanhar de perto muitas aventuras vividas pelos orixás. Só assim poderá reunir o conhecimento necessário para fazer uma escolha que lhe permita, enfim, voltar para casa.


A lógica inexplicável da minha vida, de Benjamin Alire Sáenz

Tudo está prestes a mudar. Salvador levava uma vida tranquila e descomplicada ao lado de seu pai adotivo gay e de Sam, sua melhor amiga. Porém, o último ano do ensino médio vem acompanhado de mudanças sobre as quais o garoto não tem nenhum controle, como ímpetos de raiva que ele não costumava sentir. Além disso, Salvador tem que lidar com a iminente morte da avó, com uma tragédia repentina que acontece na vida de Sam e com o fato de seu pai estar se reaproximando de um ex-namorado. Em meio a esse turbilhão de sentimentos, que vão do luto ao amor e da amizade à solidão, Sal passa a questionar sua própria origem e identidade, e tenta encontrar alguma lógica para a sua vida — uma tarefa que parece quase impossível.



            O ministério da felicidade absoluta, de Arundhati Roy

Após exatos vinte anos longe da ficção, a autora do best-seller O deus das pequenas coisas, publicado em 42 idiomas com mais de 8 milhões de exemplares vendidos no mundo, volta ao romance com O ministério da felicidade absoluta. Pela emocionante história do jovem Aftab, que mais tarde se torna a bela Anjum, descortina-se uma Índia repleta de conflitos e beleza. Dos bairros sinuosos e pobres aos shoppings reluzentes de Delhi, passando pelas montanhas nevadas da Kashmira, onde guerra e paz se mesclam em ciclos de vida e morte, a vida de Anjum transcorre e, com ela, a história de uma país. A um só tempo história de amor e protesto, este romance tem como heróis pessoas que foram destruídas pelo mundo no qual vivem e em seguida resgatadas por atos de amor e esperança. Desta forma, por mais frágeis que pareçam ser, eles nunca se rendem. Aos entrelaçar vidas complexas, este romance arrebatador e profundamente humano reinventa o que um romance pode ser e fazer. E demonstra a cada página o talento de Roy para contar histórias.


Na minha pele, de Lázaro Ramos
Movido pelo desejo de viver num mundo em que a pluralidade cultural, racial, étnica e social seja vista como um valor positivo, e não uma ameaça, Lázaro Ramos divide com o leitor suas reflexões sobre temas como ações afirmativas, gênero, família, empoderamento, afetividade e discriminação. Ainda que não seja uma biografia, em Na minha pele Lázaro compartilha episódios íntimos de sua vida e também suas dúvidas, descobertas e conquistas. Ao rejeitar qualquer tipo de segregação ou radicalismos, Lázaro nos fala da importância do diálogo. Não se pode abraçar a diferença pela diferença, mas lutar pela sua aceitação num mundo ainda tão cheio de preconceitos.
Um livro sincero e revelador, que propõe uma mudança de conduta e nos convoca a ser mais vigilantes e atentos ao outro.



                                            A caixa-preta, de Michael Connelly

O detetive Bosch tem a chance de solucionar um caso que há vinte anos o incomoda. Em 1992, Los Angeles viveu uma onda de protestos que deram início a vários dias de anarquia e violência. Foi quando o detetive Harry Bosch viu a fotojornalista Anneke Jespersen pela primeira vez: assassinada à queima-roupa no fundo de um beco escuro. Na confusão da época, o crime nunca foi resolvido. Vinte anos depois, Bosch tem uma nova chance de solucionar o mistério. Um caso o leva de volta àquela fatídica noite, e ainda mais longe, aos campos de batalha onde Anneke fez registros sangrentos e crimes de guerra foram enterrados; crimes que há décadas esperam por justiça.




Os deuses da culpa, de Michael Connelly

Quando o advogado Mickey Haller recebe a mensagem “Me liga urgente — 187”, o código penal para assassinato logo chama sua atenção. Casos assim são sempre os mais complicados ― e os que pagam melhor ―, o que significa que ele não pode falhar. Mas quando descobre que a vítima é uma ex-cliente, uma prostituta que ele ajudou a tirar das ruas, Mickey sente que sua reputação está em jogo. A vítima estava de volta a Los Angeles e de volta à prostituição ― mas por quê? De repente, Mickey percebe que, em vez de salvá-la, pode ter sido ele a colocá-la em perigo. É hora de confrontar seu passado, e Haller precisará de todo seu talento e esperteza para cuidar de um caso que pode ser sua redenção ― ou a prova de toda a sua culpa.




O jogo do anjo (O Cemitério dos Livros Esquecidos, vol. 2), de Carlos Ruiz Zafón

Barcelona, anos 1920. David Martín tem vinte e oito anos, uma casa em ruínas e um talento para a literatura que nunca o protegeu de desgraças ou lhe trouxe qualquer glória. Com uma doença terminal e vendo o amor da sua vida nos braços do melhor amigo, David passa os dias em sua mansão lúgubre, escrevendo séries policiais e vendendo barato o seu talento. É quando surge Andreas Corelli, um misterioso editor estrangeiro com uma proposta irrecusável. Fama, dinheiro, saúde: tudo em troca de um único livro. Um livro que terá o poder de influenciar milhões de vidas. Um novo evangelho.
Mas, conforme a obra se desenvolve, David percebe que existe uma conexão sinistra entre o livro que está escrevendo e as sombras que envolvem sua casa dilapidada — e que seu editor também esconde alguns segredos perturbadores. Mais uma vez, Zafón nos leva por uma Barcelona sombria e gótica, em uma trama cheia de intrigas, romance e tragédia.



O livro do juízo final, de Connie Willis

Para Kivrin, que se prepara para um estudo de campo em uma das eras mais mortais da história humana, viajar no tempo é tão simples quanto tomar uma vacina — desde que seja uma vacina contra as doenças encontradas na Idade Média. Já para seus professores, isso significa cálculos complexos e um monitoramento constante para garantir o reencontro. No entanto, uma crise de proporções inimagináveis pode colocar o futuro de Kivrin, e de todo o Reino Unido, em perigo. Seu professor mais próximo, o sr. Dunworthy, fará de tudo para resgatá-la. Mas até que ponto é possível desafiar a morte? De 1300 a 2050, Connie Willis faz um trabalho magnífico na construção de personagens complexos, densos e pelos quais é impossível não sentir empatia. O livro do juízo final é ao mesmo tempo uma incrível reconstrução histórica e uma aula sobre o poder da amizade.


- - - - -
Postagem válida para o TOP COMENTARISTA, Participe!
Valendo um exemplar de A Melodia Feroz.

8 comentários

  1. Os lançamentos parecem ser muito bons e achei os gêneros diferentes o que mai chamou minha atenção foi Sangue Por Sangue e os livros do Michael Connelly que não conhecia mas pela sinopse parece ser interessante.

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Quero muito mesmo Sangue por sangue, li o primeiro livro e achei sensacional 💛
    Beijos!

    Books & Impressions

    ResponderExcluir
  3. A Lógica Inexplicável da Vida está na listinha de desejados!!
    Daí, a gente passa pelo post e se depara com Záfon com esta nova capa. Este livro é um dos meus preferidos e tenho a primeira versão dele(aliás, preciso reler) Se tem um autor que consegue fazer a gente entrar na história, é ele!
    A Caixa Preta também me chamou a atenção e se tiver oportunidade, quero conhecer mais sobre a história!
    Os Deuses da Culpa também parece ser outro livro dos bons!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Glaucia ;)
    Adorei os lançamentos do mês!
    Já estou interessada em A Lógica Inexplicável da Minha Vida, e quero muito começar a série Lobo por Lobo (acho essas capas lindas demais).
    Também sempre me interessei em ler O jogo do anjo, já está na lista de leitura!
    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Olá!!!
    Confesso que não sei como vou conseguir dinheiro depois de ver tantos lançamentos legais da Companhia das letras.
    O livro que mais me chamou atenção foi A lógica inexplicável da minha vida. Tanto pelo titulo, tanto pela premissa. Será o primeiro que vou ler. Bjos!

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Que lançamentos super interessante. São capas bem legais e curiosas. Gostei bastante do livro Zafón, a premissa me pareceu muito boa.

    ResponderExcluir
  7. Olá.
    Com certeza muito bons lançamentos! Quero ler Zafón, pois a premissa me conquistou. Os demais, fiquei interessada em alguns, mas vou aguardar resenhas.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Oi Glaucia,
    Que premissa mais interessante de Sangue por sangue, vou buscar saber mais do primeiro livro da série.
    Me encantei pela premissa de A lógica inexplicável da minha vida. O ministério da felicidade absoluta também chamou a minha atenção.
    Adoro romance policial então tenho que dar uma chance a escrita do Michael Connelly.
    Quero muito ler Carlos Ruiz Zafón, amei as capas novas dos seus livros.
    Beijos

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥