14 novembro 2017

Resenha - A Traidora do trono, Alwyn Hamilton


Livro: A traidora do trono (A rebelde do deserto #2)
Autor(a): Alwyn Hamilton
Editora: Seguinte
Páginas: 440
Adquira: Amazon
Livro cedido através da parceria com a editora
Amani Al’Hiza mal pôde acreditar quando finalmente conseguiu fugir de sua cidade natal, montada num cavalo mágico junto com Jin, um forasteiro misterioso. Depois de pouco tempo, porém, sua maior preocupação deixou de ser a própria liberdade- a garota descobriu ter muito mais poder do que imaginava e acabou se juntando à rebelião, que quer livrar o país inteiro do domínio do sultão. Em meio às perigosas batalhas ao lado dos rebeldes, Amani é traída quando menos espera e se vê prisioneira no palácio. Enquanto pensa em um jeito de escapar, ela começa a espionar o sultão. Mas quanto mais tempo passa ali, mais Amani questiona se o governante de fato é o vilão que todos acreditam.

ESSA RESENHA NÃO POSSUI SPOILER DO LIVRO ANTERIOR.
LEIA A RESENHA DE A REBELDE DO DESERTO.


Muita coisa mudou desde que Amani fugiu da Vila da Poeira. Ela não só conheceu a revolução que quer libertar o país das garras de um governante controlador, como também se juntou a ela; descobriu que as histórias que ouvia são bem reais e que seus poderes vão além de uma excelente mira; lutou com afinco em várias batalhas, nem sempre saindo ilesa delas e agora, está se dando conta que o amor pode ser um sentimento agridoce e contraditório.

Nos últimos meses, Amani e Jin vem desenvolvendo algo muito especial, por isso acordar e descobrir que ele havia sumido sem dar maiores explicações foi um golpe tão fatal quando o que lhe deixou inconsciente nos últimos dias. Acostumada a lidar com suas frustrações, ela canaliza a confusão de sentimentos que paira sobre ela em algo mais produtivo e acaba se dedicando mais a causa. Dessa vez sem qualquer distração.

Sequei as lágrimas. Me obriguei a lembrar que eu era uma garota do deserto. Não podia desperdiçar água.

Porém Amani acaba tomando decisões erradas, com graves consequências para a rebelião e para ela própria. Traída, ela acaba indo parar no palácio do Sultão, onde é neutralizada, para que não possa fugir ou ajudar seus companheiros. Enquanto estiver presa naquele lugar, ela precisará usar as armas que tem para sobreviver ao jogo de intrigas que acontece no harém. Esse tempo também servirá para que possa refletir sobretudo que havia ouvido sobre o governo daquele homem.

Depois de ter ficado enlouquecida de amores pelo primeiro livro, eu mal via a hora de pegar a continuação para descobrir o que havia acontecido. Minhas expectativas estavam tão altas que fiquei com receio de me decepcionar com a leitura, e por isso acabei adiando seu início por algumas semanas... não sei porque fiz isso! A trama foi eletrizante, assim como eu imaginava.

Devido a quantidade de informações singulares e ao grande intervalo entre uma leitura e outra, acabei me esquecendo de alguns detalhes. Para a minha sorte, e acredito que a de muitos, a autora dedica o inicio do livro à nos situar na história. Quando abri o livro logo fui surpreendida por um mapa de Miraji, indicando todos os locais citados na história. Detalhes que fazem a diferença para uma boa leitura.

O romance que começou a ganhar destaque no final do primeiro livro volta ao segundo plano por boa parte dessa história. É incomum um livro que abra mão do romance para focar no conflito, nesse caso a revolução. Gosto dessa escolha da autora, demonstra a segurança dela na história que foi desenvolvida e, convenhamos, a mitologia criada por Alwyn Hamilton é incrível demais para não brilhar sozinha. Apesar de cabeças duras, eu gosto muito desse casal e gostei de todas as suas cenas, mas foi bom sair um pouco da zona de conforto.

Narrado em primeira pessoa, conseguimos acompanhar o amadurecimento de Amani ao longo de sua jornada cheia de perigo. Ela ainda possui uma certa ingenuidade, o que me fez ter raiva de suas atitudes mais de uma vez. Mas ela está evoluindo gradativamente. Novos personagens surgem para conquistar o coração do leitor, bem como novos questionamentos.

O título pode parecer muito óbvio para quem acabou de ler o primeiro volume, mas não se deixe enganar. Há MUITA coisa por trás dessas simples palavras. Em sua estadia no palácio, Amani passa a conviver diariamente com o Sultão. Conhece suas histórias e pode tirar as próprias conclusões em relação as histórias que ouviu do líder de sua revolução. Tantas informações confundem a cabeça da personagem e também a do leitor. E por mais que nossa ação automática seja tirar conclusões precipitadas, espere até o final do livro para decidir de qual lado você está. Afinal, quem é o grande vilão?

O terceiro e último livro da série, Hero at the Fall, já teve sua capa liberada e tem previsão de lançamento em março de 2018. Eu não sei se fico feliz por que irei conhecer o desfecho dessa história ou triste porque ela está acabando. A única certeza que tenho é que essa história já conquistou um espaço especial na minha estante e no meu coração.

- - - - -
Postagem válida para o TOP COMENTARISTA, Participe!
Valendo um exemplar de Dear Heart, eu odeio você!.

3 comentários

  1. Esta é sem sombra de dúvidas uma trilogia que namoro desde que foi lançada. Quando fui apresentada a Amani,foi caso de paixão à primeira lida e me encantei com a força da personagem!
    Ainda não vi a capa do terceiro livro,mas as duas já lançadas são maravilhosas e eu quero muito me aventurar também neste enredo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu já li resenhas desses livros, eu estou muito curiosa para ler. A trama é bem envolvente, ainda mas que se passa em lugares de deserto e isso me encanta. Às vezes é bom adiada a leitura assim não decepciona né.

    Meu blog:
    Tempos Literários

    ResponderExcluir
  3. Dreeh!
    Ver a visão do Rei e ver um pouco mais sobre o outro lado da história, porque dá uma nova perspectiva.
    Bacana ver que a Amani cresce durante esse exemplar.
    Tão bom ver esse segundo livro ser ainda melhor que o primeiro, porque o enredo traz nova visão e novas configurações.
    Final explosivo é fabuloso.
    Quero ler.
    “A arte de ser sábio é a arte de saber o que ignorar.” (William James)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA novembro 3 livros, 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥