29 abril 2013

Resenha - Sushi, Marian Keyes


SÉRIE: Volume Único
AUTOR: Marian Keyes
EDITORA: Bertradnd Brasil
PÁGINAS: 574
LANÇAMENTO: 2000
CONCEITO: 3 estrelas

“– Hoje eu vou querer uma coisa um pouquinho diferente para o almoço – disse Lisa a Trix.(...)
– É alguma furta que você quer? (...)
– Gostaria de comer sushi.
A sugestão era tão repugnante que deixou Trix sem fala.
– Sushi? – disparou, por fim, horrorizada. – Quer dizer, peixe cru?
Lisa lera no fim de semana que um empório de sushi havia aberto uma filial em Dublin, e tinha a esperança de que, experimentando seus produtos, conseguisse sair da depressão provocada por Oliver. Mas também tivera a mesma esperança em relação ao show humorístico de sábado à noite, e dera em nada, apesar de Jack ter de fato aparecido e conversado com ela durante boa parte da noite – isso é, quando não estava conversando com aquela chata de galochas da Clodagh.” (pág 393 e 394)

Como o próprio livro diz, Sushi é a história de três mulheres, vivendo em uma mesma cidade e que estão em busca da felicidade. E como esse sentimento pode significar coisas diferentes para pessoas diferentes. O livro é bem extenso, e por ter três protagonistas, muitos personagens e varias histórias paralelas, eu fiquei bem perdida até quase o meio do livro. A personalidade de cada um é bem marcada, mas a confusão de tramas e nome confunde um pouquinho. Não irei falar de todos os personagens para a resenha não ficar quilométrica, mas tentarei aguçar a vontade de vocês de lerem esse livro fantástico e cheio de lições para as nossas vidas.

Lisa é uma workaholic, não tem palavra que a defina melhor, e como boa workaholic que é, perdeu a melhor pessoa de sua vida – Oliver, seu (ex)marido – por trabalhar demais. Quando ao invés de ser promovida para uma famosa revista de New York ela é mandada a Dublin – Irlanda – para começar a revista Garota do zero ela surta. Sempre venenosa, ela sai de Londres sem amigos e sem marido, se sentindo fracassada e infeliz. Sempre deslumbrante e charmosa, ela descobre que a vida é muito mais do que poder e beleza. Confesso que minha antipatia com ela foi instantânea, mas no decorrer do livro foi impossível não me sensibilizar com ela e torcer para que as coisas se arrumem com Oliver. Ela me lembrou muito da Darcy de O noivo da minha melhor amiga e Presentes da Vida – Emily Giffin – em personalidade e aprendizagem.

Foi a personagem com quem mais me identifiquei, porque ela é a típica mulher moderna, que está alcançando cargos cada vez mais importantes – e estressante - no mercado. E é claro que queremos ser bem sucedidas, mas será que vale tudo para chegar ao sucesso?!

Ashling é uma típica irlandesa, cheia de ‘coisas da sorte’ e superstições – que no transcorrer do livro você descobre que são mais do que simples superstições. Ela é o elo de todos os núcleos do livro, é o braço direito de Lisa dentro da edição da Garota e a melhor amiga e Clodagh. No início eu gostei muito dela, toda a sua confusão com os rapazes e a sua estranha relação a família, mas depois sei lá. A personagem dela trás uma mensagem importante, sobre uma doença que afeta muitas pessoas atualmente sem que elas nem saibam – e que obviamente eu não contarei a vocês -; e a superação dela depois de um momento difícil, o final digno e ate emocionante que ela teve podem tocar muitas pessoas.

Clodagh tem uma ótima vida. Um marido maravilhoso, dois filhos pestinhas lindos, uma boa casa, e adivinha?! Ela se sentia infeliz com a vida que levava... Narcisista, egocêntrica, egoísta, ela só reconheceu a sorte que tinha, quando estava na pior, típico não?! E a mensagem dela é essa: valorize aquilo que é seu! A virada que Dylan – seu marido - dá por causa das atitudes dela é bem típico dos homens; confesso que esperava bem mais dele. Eu cheguei a pensar que ela poderia começar a trabalhar na Garota para agitar um pouco a vida de Lisa e Ashling, mas não aconteceu, e me pego pensando que as coisas teriam um rumo bem diferente se tivesse acontecido. Como eu tive um ódio mortal dela o livro todo, amei seu desfecho.

Agora alguns coadjuvantes, o que eu mais gostei foi o Boo. Ele é tão legal, e é tão triste a realidade dele.. torci por ele a todo instante! Mas é triste pensar que na vida real ninguém na situação dele teria a oportunidade de ele teve. Jack Devine deveria ser O galã da história, ele tinha todo poder de agitar a vida das personagens, mas não o fez, e teve uma trajetória morna e chata, enfim não convenceu a mim.

Sobre a diagramação eu tenho que reclamar uma coisa: existem alguns erros na escrita, não de tradução, mas palavras faltando letras, e em outros momentos parece que foi falha de impressão. Isso me tirou a concentração várias vezes. A página branca não é bem uma reclamação, mas já estava tão desacostumada com elas que me doeram um pouco a vista, principalmente porque li a maior parte do livro na rua. Um ponto positivo para a tradutora é que algumas palavras – como pence – foram deixadas em inglês, mas deveria ter uma notinha no rodapé sobre o significado, porque para quem não sabe necas de inglês isso pode ser desagradável.

13 comentários

  1. Nossa, é verdade, faz tanto tempo que não leio livros com páginas brancas que também estranharia, assim como antigamente estranhava o contrário. De todos os livros da Marian esse é o meu favorito. Amei como tudo se desenrolou e amei ver o crescimento dos personagens. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkk eh verdade,
      eu também me achava muito ruim quando começaram essas paginas amareladas, achava que parecia que o livro já estava velho rsrs
      tudo questão de costume néh!
      esse foi o único que eu li, então não da pra avaliar, mas pretendo ler casório em breve.. vamos ver o que vou achar =))

      Excluir
  2. tenho muita vontade de ler algum livro da Marian Keyes, mas ainda não tive a oportunidade. engraçado que as resenhas que leio dos livros dela não são assim maravilhosas, são, normais, digamos assim, mas mesmo assim ainda sou curiosa para ler.

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leia siim!
      Esse foi apenas o primeiro que eu li, e gostei bastante - apesar dos erros que encontrei no texto e que me deixaram bem chateada.
      Mas tenho certeza que voce vai gostar, eh uma leitura agradavel =))

      Excluir
  3. Oie :)

    Já li Sushi e gostei bastante, mais devo dizer que fiquei 3 semanas empacado na leitura não sei o por que, eu adoro a Clodagh é o Boo não gosto nenhum pouco da Lisa, beijos !!

    http://euvivolendo.blogspot.com.br/ ( comenta lá :D )

    ResponderExcluir
  4. Nossa depois dessa resenha, fiquei muito curiosa...parabéns pelo blog(acabei de colocar o livros da Marian Keyes na minha listinha do submarino valeu pela resenha)

    ResponderExcluir
  5. gente esse livro não fala das mesmas personagens de 'melancia' e 'férias' não? achei que falaria de algumas da irmãs :/

    ResponderExcluir
  6. Já faz algum tempo que, infelizmente, a maioria das editoras optou por não incluir mais nos livros notas de rodapé informando ao leitor qual o significado de uma palavra estrangeira ou de um algum trecho ou fato desconhecido do leitor brasileiro.
    Suponho que isso seja proposital, principalmente para que o leitor brasileiro, que não por hábito a leitura, vá em busca da tal informação por meio de pesquisas.
    Até certo ponto, acho isso interessante; em contrapartida, também pode desestimular o leitor ou fazêd-lo seguir adiante na leitura sem ter a devida compreensão do texto.

    ResponderExcluir
  7. Parece que os livros dela possuem esta características de começar entediantes. Li Férias também, e achei o começo um saco, mas da metade pro final ele pega um ritmo ótimo! Espero q seja assim com Sushi, pois comecei tem pouco tempo e ainda não peguei gosto pela história.

    ResponderExcluir
  8. Ei, voce ja leu Casório? eu adorei :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não Bruna, mas está aqui esperando rs.

      Excluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Casório é sem dúvida o melhor!
    Também adorei Melancia, já Sushi, achei muito cansativo e achei que o desfecho da Ashling deveria ter mais emoção, mais compromisso, se eu fosse ela certamente ficaria muuuito insegura... Faltou sal.

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥