26 julho 2016

Resenha - Diário de uma cúmplice, Mila Wander


Livro: Diário de uma cúmplice
Autor(a): Mila Wander
Editora: Essência
Páginas: 336
Adquira: Saraiva | Submarino | Travessa | Americanas | Livraria Cultura
Livro cedido através da parceria com a editora
Meu nome é Christine, ou pelo menos costumava ser. Professora numa escola infantil, eu levava uma vida bem normalzinha, meio sem graça, até que numa noite eu o vi. Começou com uma paquera descompromissada, daquelas que acontece quando você vê um cara gato do outro lado da rua. Ele me olhou, eu olhei pra ele e sorri. Esse joguinho de sedução poderia ter terminado num café, ou quem sabe em um namoro, se ele não tivesse se aproximado de mim e me apontado uma arma. Não sei o que me deu para salvá-lo da polícia e abrigá-lo na minha casa. Burrice? Solidão? Não tinha a menor intenção de me tornar cúmplice de um criminoso. Mas seu olhar quente, sua fala mansa e sedutora me enlaçaram de tal forma que, de repente, eu me vi no meio de um turbilhão de acontecimentos. Agora, refém da paixão por aquele homem, só me restava relatar em um diário como fui me envolver mais de corpo do que de alma com a maior quadrilha do país.


Orfã há dez anos, Christine morou um tempo com sua tia até que ela se casou novamente e suas vidas seguiram caminhos diferentes. Com vinte e cinco anos recém completados, ela tem uma vida estável. Tem um emprego que paga suas contas, um apartamento para chamar de seu e uma melhor amiga que vale por uma família inteira. Lessy é aquela amiga para todas as horas, mas no dia a dia, Chris acaba se sentindo solitária. Pensando nisso a amiga lhe presenteia com um diário. Apesar de odiá-lo em um primeiro momento, o novo amigo acaba se mostrando muito útil.

Fazer o que é comum pode ser confortável, mas certamente não é emocionante. Talvez seja o que me falta: emoção.

Em uma noite, no trajeto entre seu apartamento e a faculdade, ela se depara com o desconhecido mais gato do mundo. Os acontecimento seguintes são rápidos e terminam de forma inesperada. Eles trocam olhares, caminham um na direção do outro e quando ela percebe, ele está apontando uma arma para ela, fazendo-a de refém em uma perseguição policial.

Por motivos que nem a própria entende, Miguel acaba a noite em sua cama, com ela fazendo curativo onde o tiro o pegou de raspão. A situação já estava bem estranha, mas piora significativamente no dia seguinte, quando ela é apontada pela televisão como cúmplice de um perigoso bandido. O seu mundo desaba com a constatação que um impulso louco de levar aquele estranho para dentro de casa acabou com sua vida, que sempre foi dentro de todos os padrões éticos e morais existentes. Ela não sabia nada sobre aquele cara, apenas que o seu olhar a deixava hipnotizada, e agora ela precisaria acompanhá-lo, sabe-se lá Deus para onde?

Pensando bem... ela já tinha sido incriminada, então porque não aproveitar aventura que a vida lhe proporcionou?

Não é possível que algo tão lindo seja tão perigoso.

A história é narrada como se fosse um diário em que sua dona descreve com riqueza de detalhes os acontecimentos de seu dia. Esse não é o meu primeiro contato com a Mila Wander e, por ser tão apaixonada pela sua forma de contar histórias, quis ler esse livro assim que a foi anunciado. De fato, a narrativa é envolvente, os personagens são cativantes, mas nenhuma das qualidades da autora me fizeram acreditar nessa história absurda. Eu imaginei diversos caminhos que poderiam levar a protagonista a se envolver com a quadrilha a qual o Miguel pertence, e algumas muito plausíveis, mas por livre e espontânea vontade e só porque o cara é lindo e maravilhoso? Não, não da para aceitar.

Eu preciso deixar algumas coisas muito claras aqui: ela é alertada do perigo mais de uma vez, ela tem a oportunidade de ter a sua vida normal de volta mais de uma vez e ainda assim ela fica. Em muitos momentos ela se questiona porque seguiu adiante com essa história maluca e quase sempre admite que o único motivo de estar ali é a atração que sente por Miguel. Por favor, digam se eu estiver exagerando, mas querer virar uma criminosa, ignorando tudo o que você sempre acreditou por causa de um homem que você nem sabe quem é muito surreal. Eu ignorei esses acontecimentos o máximo que eu pude, do contrario eu teria abandonado a leitura, mas o desfecho meio previsível, meio exagerado, foi quem bateu o martelo: eu não gostei dessa leitura.

O que me conforta é saber que esse foi o primeiro livro da autora - escrito muitos anos atrás, mas só publicado agora - e que seus enredos mais recentes me parecem bem mais aceitáveis. Como já tive uma boa experiência com a Mila, continuarei apostando em seus livros. Pena esse ter sido uma decepção tão grande.

Se analisarmos cada elemento individualmente, o trabalho gráfico da editora por ser classificado como ótimo, mas o conjunto possui falhas gritantes. Os capítulos iniciam com se fosse uma agendas, a data vem acompanhada do dia da semana e do mês com aquele padrão de português/inglês/espanhol. Ficou bacana, mas foge da realidade já que uns dias tinham duas páginas e outros quase vinte. É só um detalhe, mas vocês sabem como eu observo esse por menores. Já a capa me agrada pela simplicidade, mas ela não tem nada a ver com a história e passa uma ideia totalmente errada do enredo.

[...] No meu caso, desejei muito que algo legal acontecesse comigo e, de fato, ocorreu mesmo. Só que não foi tão legal assim. Com a mesma certeza de que em tudo é perfeito, temos que tomar cuidado com o que desejamos. Podemos ser atendidos.

Diário de um cúmplice é um história inacreditável com algumas cenas bem legais. Leia por sua conta em risco.

- - - - -
Postagem válida para o TOP COMENTARISTA, Participe!
Valendo um exemplar de Oníria.

7 comentários

  1. O livro parece ser bem interessante. Gostei das cenas bem legais rs.
    Vou add à lista de leitura :)
    http://www.fabulonica.com/

    ResponderExcluir
  2. Legal a história e interessante a narrativa como é descrita . Vai para lista de livros.

    Beijokas,
    DMulheres
    @dmulheres

    ResponderExcluir
  3. Da Mila Wander li O safado do 105. E me apaixonei pelo Calvin. Em relaçao ao Diário de uma cumplice achei os comentários bem divididos. Há quem goste e há os que gostem menos. Vou anotar para uma leitura futura. Bem futura

    ResponderExcluir
  4. Eu acho isso tudo tão irônico e ao mesmo tempo, tão normal. O enredo é super bacana, meio irreal(bem irreal), mas tinha tudo para ter dado certo.
    Como não conheço o trabalho da autora, é fácil acreditar que ela tenha evoluído. É assim com todos nós!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Esse livro parece que tem muitas reviravoltas! Achei legal o enredo, mas não gostei muito da capa. É bem provocativo, e a trama, apesar de aparentemente ser legal, prefiro passar a dica ^^

    ResponderExcluir
  6. Oi.
    Não li nenhum livro dessa autora, mas acredito ser uma boa leitura para os fãs desse gênero. Deixo passar a dica, pois a premissa desse livro não me chama a atenção. Muito boa sua resenha. Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Dreeh,
    Confesso que pela capa imaginei outro tipo de história, realmente, ela não tem nada a ver com a história. Ainda não tive a oportunidade de conhecer a escrita da Mila Wander, mas vou seguir a sua dica e escolher outro, pois não gostei nenhum pouco do enredo dessa história. Que absurdo! Essa “mocinha” achou normal agir desse modo, simplesmente largar tudo e se envolver com a quadrilha só porque o cara é bonitão? Não colou essa história, achei muito exagerado e nada aceitável. Para não me decepcionar, não pretendo ler esse livro, vou escolher outro.
    Beijos

    ResponderExcluir


Mais que Livros - 2015. Todos os direitos reservados.
Tecnologia do Blogger.
Miss Mavith - Design with ♥